ADORMECIDOS

Sou o inventor do meu cepticismo,
uma outra razão fugir de mim
num qualquer festival de Verão
como se por acaso tivesse encontrado
a semelhança com o ouro
e os jornais em branco.
Fiquei deslumbrado pelos pontos no ecrã
e depois, discerni
os vendedores ao fundo da rua.
Eram tantos como todos.
Agora, sou eu, e a razão
pouco importa, as discussões
preencheram as terras sem dono
como os cães que ladram noite dentro.
Vibram os palavrões dos arrependidos,
os idiotas como eu, que acreditaram
foi reconhecida a missão em falta
mais o quinhão que era de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram