UMA CIDADE CHAMADA TEMPO

A grande cidade
abateu-se sobre os meus olhos!
Todos os espelhos quebrados
fazem parte das minhas recordações,
como o mar arrastado pela lua,
areia fora, noite dentro.

Uma casa entre as ondas,
para sentar e inundar-me do vidro
que foi um dia, o copo por onde bebi
a espaços, o sabor de cada segundo.

Como se a cidade se desfizesse,
sob os meus pés, ações fingidas.
César e Alexandre e a busca de grandeza!
Entre as minhas mãos, roda um pião
como um jogo de dados
e uma escolha sem receio…

Existem nos meus sonhos,
tesouros que desconheço!
Mapas inventados, na casa
só eu ao fundo da rua
e as mãos dadas,
afastam-se sem olhar para trás…

1 thought on “UMA CIDADE CHAMADA TEMPO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram