O RETRATO

Subestimámos os encantos
do retrato!
A forma irreprimível
ao alcance
de ilustres tolos
e das massas.

A elite dos esquecidos,
como sangue
que sentámos em cadeiras
para reinar
e mais louco
que partiu a tarde em duas…
como se as regras
não soubessem
da lógica das leis.

As maravilhas
como defeitos corrigidos.
E demos largas
ao entusiasmo
que houve
à sombra das flores.

Silenciámos o cheiro
a pólvora
e voltámos da guerra
pelo nosso pé.
Talvez tenhamos acreditado,
como se soprássemos
apenas mentiras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram