EQUAÇÃO DO RIDÍCULO

Vendemos aquilo que não interessava,
o que o gosto e vontade
souberam ignorar!

Aquilo que o tempo
não pode usufruir como facto.
O sabor da veleidade.

Um quê de abandono, a rectidão
do mercador, uma saída sem sentido…
O perscrutar da insensatez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram