A MANHÃ QUE FALTAVA

O som monocórdico da liberdade
na festa das gargantas, assobiam cascavéis.

Levem o dono da voz
que nos tirou o sono as todos.

És como ele
mas diferente quando chegar a hora,
ele vai carregar no botão.

Os poemas que nos ditaram
só ensinam um lado da história
parece verdade!

Ontem estávamos todos juntos
a multidão
é uma máscara confortável.

A sombra dos canibais, lembra o Inverno.
Sobra espaço, mas eu não acredito
eles hão-de aparecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram