UM BEIJO

Um beijo desenha-se,
impune,
enquanto o louco
se amarra
ao sabor do caminho.

Tantas faces
onde vivem as palavras,
como se invertêssemos
o lado oculto
dos sorrisos falsos
e a mesma falta,
fizesse da memória
o elixir dos amantes do vazio.

Um beijo desenha-se,
na sombra
dos perseguidos,
continua a ensinar-lhes o caminho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram