FAZ DE CONTA

Não há forma
que o possa traduzir,
sem que um sentido
não ganhe
os seus passos!

Um caminho
que se pode descobrir
ao desvendar
o descanso
que podem as mãos
encontrar nuas
nas ancas.

É como se fosse
o fôlego,
tão difícil de reclamar,
como as lágrimas
que oferecemos
ao momento
que achámos digno.

Cheira a farsa
em demasia.
O odor a sangue
é que faz manchetes.
Não interessa
o que dizemos…
Faz de conta
que nada aconteceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook
Instagram