INVENÇÕES

Soube a pouco,
o incompreensível abraço
que chegou depois
da hora  marcada.

O som elétrico
a desenhar viagens,
a frenética imaginação
inventou-me entre lábios
e eu fiz as contas
para somar uma frase.

Há palavras ousadas
que não se conseguem multiplicar.
Engoli em seco, fácil era ontem
andar a mentir ao porteiro
e ao cadeado do tempo.

As chaves ainda lá estão,
podia abrir as mãos
e guardar as ilusões todas.
Mas cresci demais para as voltar a roubar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *